A gente ama blackwork, mas as cores vivas também têm espaço por aqui: protestando contra a dura e fria estética industrial, essa artista de Berlim traz uma obra imersiva e cheia de cores para você entrar e, claro, se fascinar.

Uma enorme instalação em arco-íris de tecido pintado em cores vibrantes é neste mês parte do centro de arte contemporânea de Sydney, conhecido por lá como Carriageworks, num ato artístico (e lindo) de resistência a uma estética industrial vitoriana que é todo tijolo, ferro fundido e aço.

k11-1

Photoshoot with Berliner artist Katharina Grosse for Interview Magazine

E a parte mais legal de todas é que trata-se de uma obra escultura walk-in: com acesso livre ao público até o dia 8 de abril, a instalação é impressionante do lado de fora, mas os curiosos e fascinados visitantes também podem entrar no trabalho através de uma das três “fendas” localizadas no perímetro do tecido. No interior encontra-se um vibrante vale de cor onde a caminhada na arte não só é permitida, mas sim inevitável.

A instalação, que recebe o título de “The Horse Trotted Another Couple of Meters”, é assinada pela artista alemã Katharina Grosse. Grosse é conhecida hoje em dia por trabalhos coloridos pintados quase sempre em grande escala, criados diretamente na paisagem, cenários ou tecidos. Seu trabalho anterior foi uma “pintura de parede” para a Bienal de Sydney de 1998.

k6

Grosse se diz uma artista obcecada com a cor. “Isso desperta muitas emoções, memórias e sensações nas pessoas. É algo que registramos no nosso pensamento antes do início do nosso idioma”, afirma ela. A mutabilidade da cor também faz parte do apelo por trás da obra da artista e ela observa que sua instalação parece bastante diferente no tempo do dia, sob luz natural, em comparação com o tempo noturno, quando uma plataforma de holofotes é implantada para efeito dramático.

k1-1

E quando o assunto é o desafio de pintar em escalas tão gigantescas assim, Grosse dá uma lição para todo entusiasta de arte que tem dificuldade em abandonar seu medo inicial de cometer erro: “Eu decidi que, no futuro, eu tinha que acreditar absolutamente que nada pode dar errado. Quando você se sente aberto e não se limita pelo medo, é mais provável que crie algo que você não teria imaginado”.

k2 k3 k4 k5 k7 k9.2 k10

Animal, né?

Paula Neiva
Escrito por Paula Neiva
Trocou a vida de publicitária em São Paulo pela de estudante de artes em Buenos Aires. Tem um Tyler Durden tatuado no braço mas não pode falar pra ninguém, porque a 1a regra é nunca falar sobre o Clube da Luta.